Dark Reapers ou como eu detesto resina da GW

Acabei de montar a minha esquadra de Dire Avengers, e decidi pôr 2 shuriken catapults no exarch. Para matar o tempo, montei o torso de outro exarch com power weapon e shimmer shield. Mais um bit de pernas e tenho um exarch completo. Não gosto de desperdiçar bits, é mania minha. :p

Eldar 3 - DA e DR montados

Ao montar os Dark Reapers, confirmei as minhas suspeitas: detesto a nova resina da GW. Conseguiram pegar nos modelos anteriormente de metal e fazê-los num material tão desadequado que o mais pequeno pormenor se desfaz na moldagem da miniatura. Não sei se dá para ver, mas nenhum deles tem as 2 orelhas. A que está agarrada ao cabelo sobreviveu, mas a outra que está solta partiu-se sozinha em todos os modelos ao limpar o flush. E eu tive cuidado a limpar, mas os pontos de ligação à cabeça não estavam bem cheios, resultado de uma moldagem com resina de baixa qualidade ou de moldes desadequados a este material.

A Games Workshop ainda tem muito caminho a percorrer com este novo Citadel Finecast, e começa por acertar a qualidade da resina. A seguir é adequar os moldes antigos para que a injeção seja fácil e completa, porque praticamente todos os modelos de resina que encontrei têm falhas menores. Compreendo que o metal hoje em dia seja escasso e caro, mas esta substituição para resina não é a maneira mais indicada de o substituir. Espero que de futuro melhorem este serviço.

Primeiras montagens Eldar

Eu estou a montar coisas! Estou a conseguir ter vagar para montar coisas!

Eldar 2 - DA e WS montados

Agora… o que é que eu faço com os bits das armas que sobram? Ter uma turret para cada é que era bom, gosto de ter opções abertas. Sugestões?

Projeto 2013 – Eldar

Prometi novidades e aqui estão elas. Descobri recentemente que a poucos quilómetros de mim está a nascer uma comunidade de Warhammer 40.000. Há alguns jogadores antigos, mas no geral o grupo tá todo a começar agora. Como passei 2012 apenas em entretenimento digital, sinto fortes saudades de criar algo novo, por isso decidi arrumar os meus Necrons e iniciar um novo exército: Eldar.

Eldar 1 - Caixas

Sim, eu sei que o codex tem 6 anos, está desatualizado até à medula, mas pelo historial de lançamentos da Games Workshop, em princípio este ano sai um novo Codex: Eldar, e é com isso que estou a contar. Nestes primeiros meses vou criar a base do exército, e quando saírem novidades devem estar prontos a receber um upgrades bem necessários. Entretanto vou comprando, montado e pintando e podem ver todos os passos aqui no blog.

Nada como um novo projeto para começar 2013 com o pé direito.

Incoming: Grey Knights!

Depois de nos últimos 3 meses a comunidade internaútica ter seguido religiosamente os rumores de qual seria o próximo codex a sair, ontem obtivemos confirmação: Daemonhunters estão de volta em abril.

Resumo rápido dos rumores referentes a alterações:

Acabaram as regras de aliados que permitiam recrutar Imperial Guard, etc.. Para corrigir isto, criaram-se novas unidades de tropas semelhantes.
Ganharam Combat Squads, e os Grey Knights (GK) estão semelhantes a Sargentos de Space Marines.
Novos poderes psiquicos, vários contra outros psykers.
1 arma especial por cada 5 homens na esquadra, mais 1 arma no sargento com upgrade.
Podem declarar que os adversários contam como Daemons em termos de habilidades e bónus.
Armas novas: Psycannon – 24″ S6 A3 AP3, nega saves invulneráveis, testa pinning para unidades ou modelos com psykers,
ou 36″ S5 H1 AP4 explosão de 5″, nega saves invulneráveis, nega cover saves.
Incinerator –  S5 AP4 A1 template, nega saves invulneráveis ou de cover.
GK Annointed Armor: habilidade geral com custo fixo que dá reroll aos saves.
Novas opções para as motas e dreadnaughts.
Vários novos assassinos da Inquisição vão aparecer, cada um com opções novas.
A maioria dos modelos serão redesenhados e vendidos em novos kits de plástico.

E porquê este post rápido? Porque os leitores mais atentos devem saber que tenho exército de Necrons, e que no ambiente atual não são uma opção viável. Se gostar destes novos Grey Knights, quando sairem mudo de exército 😀

Até abril toca a poupar!

Regresso aos torneios

Ontem, depois de vários anos afastado, participei num torneio de Warhammer 40.000. Foi coisa pequena com 4 jogadores (o quinto adormeceu e não foi) mas muito boa onda, com ótimo ambiente. Valeu bem as 2 horas e meia que passei na estrada para lá ir.

Obviamente fui lá ganhar… experiência. Ainda não estou bem habituado às regras de 5ª edição e perdi todos os jogos, mas a cada ronda sentia-me mais à vontade com o meu exército e com os cenários. Pena é os meus Necrons estarem tão fora do ambiente. A facção precisa de uma actualização rapidamente, como está não se aguenta. Unidades muito caras, pouco poder de fogo maciço, falta de variedade nas unidades  tornam as coisas ainda mais difíceis para alguém que está a recomeçar agora.

Agora o próximo só para fevereiro, por isso lanço desde já o desafio de pintar o exército todo, os 1750 pontos, até à data dele. Ok, se não estiverem só de primário já vai ser bom. Mãos ao trabalho!

Teoria a martelo: 2 – Mathhammer

Qualquer conversa sobre teoria de jogos passa sempre por falar de Warhammer e derivados, por isso vamos já despachar o assunto para não falarmos mais disso.

Goste-se ou deteste-se, se não se faz mathhammer enquanto se joga qualquer tipo de jogo de Warhammer então não se está a jogar bem. Warhammer tem dos cálculos probabilísticos mais simples e rápidos de fazer, e para uma mente treinada apenas alguns segundos são necessários para saber se vale mesmo a pena carregar com a unidade feia com a nossa unidade cool. Se acham que fazer estes cálculos destrói o espírito do jogo então continuem a ser espancados por alguém que apenas sabe a tabuada melhor que vocês.

Como todos os rolls são feitos com d6, é simples saber a probabilidade de termos sucessos numa mão cheia de dados. Se o roll é a 2+, quer dizer que em média teremos 5 sucessos em cada 6 dados, por outras palavras 1 em cada 6 dados vai falhar. 3+ são 2 em cada 6 que falham, 4+ 3 em cada 6 ou seja, metade de sucessos, e por aí a fora. Nem precisamos de saber as probabilidades verdadeiras, porque normalmente estamos a rolar para cima de 10 dados, e nesse caso aproxima-se facilmente. Ora então aqui vai um exemplo:

Uma unidade de 10 Ork Boyz com Choppas carrega uma unidade de 10 Marines (quantas vezes é que nós já vimos isto?!).Graças ao Furious Assault racial dos Orks, eles têm agora 4S e 3Ini, por isso batem ao mesmo tempo dos Marines e ferem a 4+. Cada Ork tem 2 ataques, +1 da Choppa, +1 da carga para um total de 4 ataques cada. Isto vezes 10 Boyz dá 40 ataques (medonho!). Como acertam a 4+, é de assumir que metade falham, por isso só 20 chegam a ferir. Orks têm 4S e Marines têm 4T, por isso é de novo +4 para ferir. Mais uma vez é metade dos dados rolados, e assumimos que dos 20 ataques, 10 ferem. Os marines têm então de fazer 10 Saves a 3+ para não serem dizimados, e em 3+ assume-se que 2 em cada 6 falham. Arredonda-se a coisa no final para 3 ou 4 marines mortos. Os marines por sua vez atacam ao mesmo tempo, fazendo 10 ataques a 4+, dos quais 5 acertam, 2 ou 3 ferem, e como os Boyz têm um save de 5+, só 1 ou 2 se salvam. Quando as probabilidades não dão um resultado limpo, pessoalmente gosto de arredondar para cima os ataques e feridas, e arredondar para baixo os saves. Final do combate hipotético: 4 marines mortos contra 2 Boyz mortos. Parece-me uma boa ideia atacar!

Já agora idealizamos os turno seguinte. 8 Boyz contra 6 marines, caso os marines não tenham fugido. Boyz voltam a ter 3S e 2In , por isso os marines batem primeiro. 6 ataques, dos quais 3 acertam, 2 ferem na melhor das hipóteses. Boyz falham 1 ou 2 saves, deixando-os a 6 Boyz. Contra-ataque de 6 Boyz com 3 ataques cada, o que dá 18 ataques a 4+. Desses metade falham, deixando-nos com 9 para ferir, mas agora como têm 3S só ferem a 5+. Então só 3 ferem, fazendo com que os Marines salvem a 3+, perdendo 1 homem. Final do combate: 1 Marine morto contra 2 Boyz mortos. Erm, se calhar isto vai começar a correr mal…

Dito assim parece fácil, e é. Mas é preciso alguma prática e ginástica mental para fazer isto em todos os combates. É claro que com a experiência há jogadores que nem calculam, já sabem estes resultados de cor e salteado, mas isso é para veteranos. Volto a lembrar, se não fazem isto enquanto jogam, mais vale pousarem os dados, sair porta fora, ir à papelaria mais próxima e comprar um livro de tabuada, porque vocês precisam disto. Não posso frisar mais esta importância. É importante. A sério!